O “background” histórico do encontro entre o papa Francisco e o patriarca Cirilo de Moscou

3

fevereiro 12, 2016 por João Vicente

Caros leitores,

Nessa sexta-feira, dia 12 de fevereiro, o papa Francisco e o patriarca Cirilo de Moscou irão se encontrar em Havana, Cuba, pela primeira vez na história.

Muitos jornais ou blogs (aqui e aqui) já explicaram resumidamente o porquê do aspecto “histórico” desse encontro.

papa-francisco-patriarca-kirill

Papa Francisco e Patriarca Kirill. Fonte: noticias.gospelmais.com.br

Resumidamente, há as causas estruturais e as conjunturais.

Ambas tradições cristãs têm a mesma origem: comunidades cristãs fundadas por apóstolos nos anos que seguiram a morte e (pra quem acredita) ressurreição de Jesus Cristo. Contudo, ao longo dos anos cada uma das comunidades cristãs foram adquirindo características únicas com relação ao dogma e ao ritual.

Enquanto as comunidades orientais (Grécia, Asia Menor, Síria, Palestina e Egito) não sofreram pouco ou nenhum rompimento com as instabilidades trazidas pelas invasões bárbaras, as comunidades ocidentais (Itália, Galia, Península Ibérica, Ilhas Britânicas e Norte de África) suportaram diversas invasões, as quais enfraqueceram ou mesmo acabaram com as comunidades cristãs locais.

Praticamente só o bispo de Roma permaneceu e, a partir do século V, empreendeu grandes esforços para “recristianizar” a Europa Ocidental, que passou a ser controlada por reis pagãos (como no caso dos Anglo-Saxões nas Ilhas Britânicas) ou por aderentes da heresia ariana (como no caso dos Visigodos na Península Ibérica ou os Francos na Gália). Sob a liderança de papas como Gregório Magno (590-604), os reinos germânicos da Europa Ocidental passaram a ser convertidos e postos sob a autoridade, em primeiro momento puramente religiosa, do papa de Roma.

Enquanto isso, no Oriente, a continuidade da situação existente na Antiguidade, de grandes cidades com forte autonomia e identidade própria, favoreceu o surgimento de diversas autoridades religiosas autônomas.

No Concílio de Calcedônia, em 451, estabeleceu-se o que foi chamado a “Pentarquia”, segundo a qual a Igreja possuia cinco líderes, os Patriarcas: o de Alexandria, o de Jerusalém, o de Antioquia, o de Constantinopla e o de Roma. Ao patriarca de Roma, o papa, foi dado uma primazia, por ser o assento do apóstolo Pedro.

Apesar de ela ser simbólica, os papas seguintes foram dando pequenos passos em direção a tranformação dessa primazia simbólica em primazia de facto. Por essa razão, nós devemos relativizar algumas datas consideradas como “cismas”, como aquela no século IX e o outrz (o Grande Cisma), no qual o patriarca Miguel Cerulário de Constantinopla e o papa Leão IX se excomungaram um ao outro.

Esses eventos foram, na realidades, épocas mais tensas, depois das quais reaproximações eram feitas. Contudo, as Igreja Romana e as suas Igrejas-Irmãs orientais foram gradativamente se separando devido a questões teológicas, como a adoção da doutrina segundo a qual o Espírito Santo provem do Pai e do Filho (Filioque) pelos católicos, diferenças rituais, como o uso do pão azimo pelos católicos, diferenças de calendários, delimitações de jurisdição e por fim, e diria principalmente, os eventos políticos relacionados a expansão ocidental no Mediterrâneo Oriental: as Cruzadas.

ConquestOfConstantinopleByTheCrusadersIn1204

Conquista de Constantinopla pela Quarta Cruzada em 1204 numa miniatura européia do século XV. Fonte: Wikipédia.

Pensadas para ser um escape para a jovem aristocracia feudal sem-terra, as cruzadas tinham como objetivo inicial a conquista dos lugares santos na Palestina. Porém, elas resultaram na rápida degradação da relação entre bizantinos,  que suspeitavam que o objetivo real das cruzadas era conquistar Constantinopla, e os ocidentais, que passaram a desprezar cada vez mais os bizantinos, acusando-os de covardia e conspirar com os muçulmanos. Esse ódio crescente, a má-organização dos cruzados, a ganância dos venezianos e a ambição egoísta de alguns membros da dinastia imperial bizantina Angelos levaram a catástrofe que foi a conquista de Constantinopla pela Quarta Cruzada em 1204. Esse evento cimentou de uma vez por todas o cisma entre a Igreja Católica e as Igrejas Ortodoxas.

Desesperados por auxílio ocidental contra os turcos otomanos, os imperadores bizantinos concordaram em unir suas Igrejas à de Roma – e reconhecer a superioridade papal – em Lyon em 1272 e Ferrara-Florença em 1439. A resistência interna fez com que os imperadores abandonassem rapidamente essa ideia. A conquista turca de Constantinopla em 1453 acabou com qualquer motivação possível para união das Igrejas, restando somente um enorme ressentimento por parte dos ortodoxos devido ao posicionamento arrogante de Roma e traidor dos católicos.

A situação começou a mudar no século XX, quando o papa Paulo VI encontrou-se me Jerusalém com o patriarca Atenágoras de Constantinpla (ou Istanbul) em 1964. Foi o primeiro encontro desse tipo. Ambos (simbolicamente) cancelaram as excomunhões e estabeleceram que ambas as Igrejas iriam reconhecer os sacramentos um do outro.

Correção: fui instruído que não existe esse reconhecimento “automático” de sacramentos. As Igreja Ortodoxas são regidas pelo conceito de “economia”, segundo a qual as Igrejas podem reconhecer formas exteriores de batismo, exigindo, então, a crisma, a confirmação. Contudo, a regra não vale para todas Igrejas ou mesmo para todas as congregações de uma mesma igreja, as quais podem seguir a “akribia”(exatidão) e exigir um novo batismo para o catecúmeno vindo de outra igreja.

Nem eles e nem seus sucessores puderam levar o processo mais além por causa das diferenças teológicas e rituais, além de ressentimentos antigos e a suspeita dos ortodoxos muito ciosos de sua autonomia.

Porém, a conjuntura atual faz a Igreja Católica e as Ortodoxas terem algumas agendas comuns: ambas lutam para acharem seu lugar num mundo contemporâneo extremamente secularizado e ambas estão bastante preocupadas com as perseguições de cristãs no Oriente Médio. Essas motivações favorecem o encontro entre o Papa de Roma e o Patriarca de Moscou, líder da maior congregação ortodoxa do mundo.

Eu vejo esse encontro positivamente, pois pode ser um passo importante para a reaproximação das Igrejas Cristãs depois de muitos séculos de atritos e desentendimentos e ambos, o papa Francisco e o patriarca Cirilo, podem ser uma ponte de entendimento e arrefecimento das tensões entre o Ocidente e a Rússia, cujas relações tem rapidamente se deteriorado desde a crise na Ucrânia em 2012.

Por João Vicente

Anúncios

3 pensamentos sobre “O “background” histórico do encontro entre o papa Francisco e o patriarca Cirilo de Moscou

  1. […] pelo patriarca de Constantinopla e ministrado pelo dr. Alfredo Bronzato. Além da data chave do Grande Cisma, o ano de 1054, o ministrante pretende contextualizar essa data chave num histórico de graduais dissensões entre […]

  2. Serafim disse:

    Oi, João!

    Parabéns pelo artigo!

    Porém, gostaria de notar dois pontos:

    1) Assim como na tradição católico-romana, nós ortodoxos também “traduzimos” os nomes de nossos bispos. Portanto, o usual é “Cirilo” (você mesmo escreveu “Atenágoras”! :]). É dessa forma como Sua Santidade é celebrada liturgicamente nas liturgias em português no Brasil.

    2) A retirada das excomunhões foi uma ação simbólica para o início do diálogo entre a Igreja Ortodoxa e o Catolicismo Romano. Não foram feitos compromissos teológicos nem eclesiológicos como o “reconhecimento dos sacramentos um do outro”. Apesar de alguns ortodoxos falarem que o batismo católico é “reconhecido como válido”, isto é um mal entendido, um afastamento do entendimento tradicional de “economia” (como foi exposto por São Nectário de Egina), que diz que aplicar economia é reconhecer somente as formas exteriores do batismo realizado fora da Igreja. Sendo assim, por economia, a pessoa é recebida pelo Crisma (o “segundo passo” na iniciação cristã), sendo unida através dele à Igreja e recebendo a Graça que faltou naquela celebração anterior fora da Igreja. Como as Igrejas locais tem liberdade para decidir a melhor solução a ser aplicada nessa questão, algumas outras aplicam a “acribia”, que é o rigorismo, preferindo batizar todos aqueles vindos de fora que chegam na Igreja Ortodoxa. O Patriarcado de Moscou, por exemplo, utiliza-se da economia como norma, mas permite que algumas de suas dioceses apliquem a acribia. O mesmo acontece com o Patriarcado Ecumênico, que permite a acribia no Monte Athos.

    Fique com Deus e que Ele lhe abençoe em seus estudos.

    Em Cristo,
    Serafim.

Deixe uma resposta para João Vicente Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Junte-se a 104 outros seguidores

Arquivos

%d blogueiros gostam disto: